Tropas dos EUA e Otan deixarão Afeganistão em 14 meses se Talibã cumprir acordo - Rádio Liberdade FM Online

Tropas dos EUA e Otan deixarão Afeganistão em 14 meses se Talibã cumprir acordo

Torres Gêmeas emitem grande nuvem de fumaça após serem atacadas em 11 de setembro de 2001 — Foto: The New York Times

O governo dos Estados Unidos e do Afeganistão anunciaram neste sábado (29) em Doha, no Catar, a retirada completa, em 14 meses, das tropas americanas e da Otan, a aliança militar do Norte, do território afegão. O anúncio antecede a assinatura de um acordo de paz entre EUA e Talibã.

A retirada das tropas depende do cumprimento, pelo Talibã, de compromissos previstos no acordo.

“A coalizão completará a retirada de suas forças restantes do Afeganistão dentro de 14 meses após o anúncio desta declaração conjunta e do acordo EUA-Talibã… sujeito ao cumprimento pelo Talibã de seus compromissos sob o acordo EUA-Talibã”, afirmou o comunicado conjunto divulgado pelos dois países.

Inicialmente, os Estados Unidos se comprometeriam a reduzir, em um prazo de quatro meses e meio, suas forças no território afegão para 8.600 soldados.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que a aliança apoia o acordo e está preparada para “ajustar e reduzir” sua presença no país. No entanto, ele também frisou que, se a situação na região piorar, os podem voltar a aumentar sua atuação.

“A paz é longa e dura e precisamos nos preparar para retrocessos e dificuldades”, declarou Stoltenberg.

Ocupação

As forças armadas dos EUA ocupam o Afeganistão desde 7 de outubro de 2001, quando iniciaram uma ação de resposta aos ataques de 11 de setembro.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 100 mil civis foram mortos ou feridos no conflito apenas na última década. Desde o início dos conflitos, os EUA gastaram cerca de US$ 1 trilhão (R$ 4,5 trilhões) em despesas militares no Afeganistão.

Em 2001, quando aconteceram os ataques de 11 de setembro nos EUA, o Talibã, grupo islâmico radical então liderado pelo Mohammed Omar controlava 90% do Afeganistão, embora nunca tenha sido reconhecido como governo pela ONU. Os únicos países que reconheciam a autoridade dos talibãs eram a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Paquistão.

Após os ataques nos Estados Unidos, o presidente americano à época, George W. Bush, revidou com uma invasão do Afeganistão por este dar abrigo à rede Al-Qaeda, responsável pelos atentados terroristas. Paquistão e Arábia Saudita se tornaram aliados na luta ao terror, e os talibãs passaram a fazer luta armada contra os americanos e o novo governo afegão constituído.

Desde então, tropas americanas lutavam contra essa insurgência.

Redução da violência

Em 21 de fevereiro de 2020, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse em um comunicado que os negociadores em Doha chegaram a um acordo para a redução da violência no Afeganistão.

Em seu comunicado, Pompeo afirmou que as negociações entre os distintos grupos afegãos começarão após a assinatura do acordo deste sábado. As negociações desejam alcançar “um cessar-fogo completo e permanente e um roteiro político para o Afeganistão”.

Foto de junho de 2018 mostra combatentes talibãs comemorando com moradores uma trégua de 3 dias organizada por causa do feriado muçulmano do Eid al-Fitr, na província de Nangarhar  — Foto: Rahmat Gul/AP

Foto de junho de 2018 mostra combatentes talibãs comemorando com moradores uma trégua de 3 dias organizada por causa do feriado muçulmano do Eid al-Fitr, na província de Nangarhar — Foto: Rahmat Gul/AP

Segundo Pompeo, o progresso feito até agora mostra que existe “esperança” e representa “uma oportunidade real” para a paz. Para o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, o acordo abre caminho para uma “paz duradoura no Afeganistão”.

“[O acordo] Pode pavimentar o caminho para as negociações entre os afegãos, uma paz duradoura e garantir que o país não seja mais um refúgio seguro para terroristas”, declarou em comunicado.

Retirada de tropas

Segundo a agência France-Presse, uma primeira retirada de 8,6 mil soldados deve ocorrer em breve. A movimentação está condicionada ao progresso das negociações de paz entre o governo do presidente Ashraf Ghani e os talibãs.

Os insurgentes também devem garantir que o Afeganistão não seja mais usado por grupos jihadistas como a Al-Qaeda e o grupo Estado Islâmico (EI), para lançar ataques no exterior. Os EUA justificaram sua intervenção no país pela implementação da Al-Qaeda no território afegão com o apoio dos talibãs.

Suspeitos insurgentes do Talibã capturados e suas armas são apresentados para a imprensa em Ghazni, no Afeganistão, em 2016 — Foto: Mustafa Andaleb/Reuters

Suspeitos insurgentes do Talibã capturados e suas armas são apresentados para a imprensa em Ghazni, no Afeganistão, em 2016 — Foto: Mustafa Andaleb/Reuters

Trégua parcial

A assinatura do acordo deste sábado ocorre após uma trégua parcial de uma semana no Afeganistão, com o objetivo de criar confiança e mostrar que o Talibã pode controlar suas forças.

Cerca de 30 países estão representados na assinatura do acordo em Doha, mas o governo afegão não enviará delegados. O presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu várias vezes trazer as tropas de volta e acabar com as “guerras estúpidas”.

As negociações em Doha passaram por dias difíceis, principalmente quando, em setembro de 2019, Trump interrompeu a nona rodada de diálogo com vários tuítes.

A falta de confiança entre o governo afegão e o Talibã alimenta um clima de crise política. Além disso, Washington se recusa a reconhecer completamente a reeleição do presidente Ashraf Ghani, após eleições marcadas por denúncias de fraude.

Em 21 de fevereiro, os insurgentes e os Estados Unidos anunciaram uma semana de redução de suas operações militares e, no domingo, Trump disse que assinaria pessoalmente um acordo de paz com o Talibã.

Por sua vez, o vice-comandante talibã, Sirajuddin Haqqani, escreveu no “New York Times” na semana passada que “todo mundo está cansado da guerra”.

‘Progresso substancial’

Em comunicado divulgado na sexta-feira, Trump lembrou que trazer as tropas americanas que estão no Afeganistão de volta e acabar com a guerra estavam entre suas promessas de campanha. “Estamos fazendo progresso substancial em relação a essa promessa”, afirmou.

“Se o Talibã e o governo do Afeganistão cumprirem esses compromissos, teremos um caminho poderoso para terminar a guerra no Afeganistão e trazer nossas tropas para casa. Esses compromissos representam um passo importante para uma paz duradoura em um novo Afeganistão, livre da Al-Qaeda, do ISIS (Estado Islâmico) e de qualquer outro grupo terrorista que queira nos fazer mal. Por fim, caberá ao povo do Afeganistão construir seu futuro. Por isso, exortamos o povo afegão a aproveitar esta oportunidade de paz e um novo futuro para seu país”, disse ainda o presidente americano.

[Por: R. Amaral | Fonte: G1 | 29/02/2020]