Sapateiros aceitam transferência para Olímpio Vital, mas floristas dizem que preferem ficar onde estão - Rádio Liberdade FM Online

Sapateiros aceitam transferência para Olímpio Vital, mas floristas dizem que preferem ficar onde estão

Com a implantação do projeto de revitalização do centro comercial de Feira de Santana, o governo do prefeito Colbert Martins Filho pretende fazer a relocação dos sapateiros do espaço em frente a prefeitura para o local onde hoje trabalham os floristas na Rua Olimpio Vital e os floristas seriam transferidos para a Rua Marechal Deodoro. Os Sapateiros gostaram da ideia, mas os floristas não aceitam a transferência.

A sapateira Daiane Sampaio não vê problemas em fazer a mudança. “É uma boa ideia, mas se fala nisso há uns dois, três anos. Ali já tem uma estrutura e é exatamente disso que a gente precisa, pra não deixar a gente sem organização. Colocando cada qual nos seus boxes arrumadinho, então pra gente vai ser ótimo, poder guardar nossas coisas. A gente espera que seja tudo organizado. A gente está aberto a acordo”, afirmou.

De acordo com Daiane, são 16 boxes, mas passam de 30 sapateiros, pois tem boxes que tem mais de uma pessoa trabalhando.

O sapateiro Gilberto Pires também se mostrou satisfeito com a possível mudança do espaço em frente a prefeitura para o local onde trabalham os floristas. “A proposta é boa, o lugar não é ruim e dá pra seguir o trabalho. A gente precisa de uma estrutura fechada, com portas, pra gente guardar as coisas”, disse.

Mas os floristas da Rua Olímpio Vital não gostaram da possibilidade de terem que ir para a rua Marechal Deodoro. A comerciante Maria Vani de Sena, defende a manutenção dos floristas onde já trabalham. “Acho uma ideia ruim, pois se a gente já está aqui estabelecido e os sapateiros vão sair de lá, eles que devem ir para a Marechal e não a gente que está aqui com a permissão. A gente já veio da Praça J Pedreira pra aqui”, lembrou.

A comerciante afirmou que os floristas já trabalham no local há cerca de 10 anos e acredita que a mudança vai gerar prejuízos. “Nós acreditamos que teremos prejuízos. Temos clientes que compravam na nossa mão na J. Pedreira e que não veio pra cá comprar na mão da gente. Acredito também que a proximidade com o shopping popular vai ser bom pra gente, pois estamos numa linha de tráfego”.

A comerciante Hilda Ramos também defende a permanência dos floristas. “Não aprovo essa ideia, queremos ficar aqui onde o movimento é bem melhor. E depois que shopping popular começou a funcionar, acho que é bem melhor. Na Marechal os barraqueiros vão sair e acho que não terá movimento”, afirmou.

Na programação do projeto de revitalização do Centro comercial de Feira a prefeitura ainda não tem uma data determinada para fazer essas mudanças de floristas e sapateiros.

Por: R. Amaral | Fonte: AcordaCidade | 07/10/2020